XX Campeonato Mundial de Handebol Feminino

Neste domingo (18/12) terminou o XX Campeonato Mundial de Handebol Feminino. O Mundial Feminino foi disputado por 24 seleções que realizaram vários jogos de excelente nível técnico. Na grande final a disputa foi acirrada entre as equipes da França e Noruega terminando com a vitória da equipe norueguesa.

 

A seleção da França perdeu uma das suas melhores jogadoras, Allison Pineau que sofreu uma lesão no joelho no jogo da semi final que a impediu de participar da grande final. Novamente,  a França terminou em segundo lugar. Na disputa de terceiro lugar a Espanha ganhou da Dinamarca pelo placar de 24 a 18 gols, e conquistou uma medalha inédita. O Brasil teve uma boa participação no campeonato terminando em 5º lugar, o melhor resultado até hoje na competição.

 

 Durante o campeonato a Equipe Spalla conversou com alguns profissionais da área da saúde que acompanham as equipes. Todas contam com uma comissão técnica de no máximo 6 profissionais, normalmente composta pelo treinador, dois auxiliares, médico e dois fisioterapeutas. Nas regras do handebol é permitido permanecer 4 profissionais da comissão em quadra.

Na entrevista com o fisioterapeuta da equipe Dinamarquesa, Allan Poulsen, tivemos a oportunidade de entender a atuação desse profissional dentro e fora das quadras. Allan, atua na área esportiva há muitos anos. Ele trabalhou com diversas modalidades como ciclismo (1979-2001), futebol (1983) e handebol (desde 1993). Ele relatou que no handebol o tornozelo, joelho e dedos das mãos são os mais acometidos por lesões. Durante a fase de classificação a jogadora dinamarquesa, Mibritt Kriesgard, sofreu grave lesão no  joelho. Allan conta que a jogadora foi retirada imediatamente de quadra e realizado o atendimento emergencial. A jogadora retornou ao seu país, onde foram realizados exames e diagnosticadas lesões do ligamento cruzado anterior e menisco lateral, segundo nos contou Allan.

Para realizar os atendimentos, o fisioterapeuta Allan utiliza ultrasom, mas principalmente recursos terapêuticos manuais. Além disso, durante o campeonato realizou por vezes um trabalho na piscina, para relaxamento muscular. Durante os jogos na fase de aquecimento foi possível observar diferentes exercícios e alogamentos pelas equipe. Algumas realizavam exercícios de estabilização (CORE) e sensório motor em quadra, antes de iniciar os exercícios com bola e específicos.

Outro fato que observamos, foi o uso de estabilizadores de tornozelo pelas jogadoras. Estes são muito utilizados no voleibol, porém no handebol não é muito usual pelo fato de envolver movimentos rápidos, mudanças bruscas de direção e giros.  

Este campeonato foi um ótima oportunidade para enriquecer o conhecimento da nossa Equipe em uma modalidade que está cada vez mais buscando um aprimoramento e refletindo isso nas conquistas de bons resultados.

O Handebol é uma modalidade que vem ganhando espaço, porém é importante que os profissionais que trabalham com estes atletas tenham conhecimento do esporte e suas particularidades, para que cada um possa contribuir para o seu crescimento e reconhecimento.

Ft. Gabriela Borin

 

Sobre o autor spallafisioterapia

Spalla Fisioterapia escreveu 77 matérias nesse site.

A SPALLA Fisioterapia é uma equipe com enfoque na área de ortopedia e traumatologia. Nosso objetivo é ser um ponto de referência em reabilitação. Queremos conduzir com precisão nossa missão de promotores de saúde e proporcionar o retorno de nossos pacientes a sua prática esportiva ou ao seu dia a dia no melhor equilíbrio possível.

4 Replies to “XX Campeonato Mundial de Handebol Feminino”

  1. Interessante saber que no Hand a comissão conta com dois fisioterapeutas. Isso é somente nas seleções ou nos clubes também é assim? Parabéns pela matéria.

    1. Olá Matheus!
      Obrigado por seu comentário! Nos clubes normalmente há somente 1 fisioterapeuta que acompanha uma ou mais categorias. No mundial o que observamos é que há dois fisioterapeutas e um médico. Porém em quadra, como o número de profissionais é limitado a 4, normalmente há o técnico, auxiliar técnico, médico e um fisioterapeuta. Algumas seleções optaram por outra formação, como a seleção da Australia que havia dois fisioterapeutas dentro de quadra. Assim como no handebol em outras modalidades, como no basquetebol e voleibol, normalmente as comissões das seleções contam com dois fisioterapeutas. Estes profissionais são necessários para garantir uma boa assistência a um grupo grande de atletas. É de suma importância o trabalho especializado e eficiente durante uma competição para que todos contribuam para a busca da melhor prática de atividade física.

      Saudações
      Equipe Spalla

Queremos seu comentário...