Voleibol Sentado – Serie Olimpíadas e Paralimpíadas

Voleibol Sentado

Voleibol sentado é uma das modalidades mais conhecidas dos Jogos Paraolímpicos. Esta modalidade foi incluída nos Jogos Paraolímpicos em 1980. O numero de atletas praticantes desta modalidade é de mais de 10.000 atletas, em mais de 55 países em todo o mundo.

As regras Voleibol Sentado baseiam-se nas regras da FIVB para de Voleibol, com algumas modificações. A quadra do voleibol sentado é de 10m x 6m e um altura da rede de 1,15 m para os homens, 1,05 para as mulheres. Uma partida de voleibol sentado consiste no melhor de 5 sets e o primeiro time a atingir 25 pontos (com pelo menos uma vantagem de 2 pontos) ganha o set. As equipes competem com seis jogadores na quadra. Em todas as circunstâncias, uma parte do tronco do atleta deve estar em contato com o solo.

Voleibol Sentado
Especificações do Voleibol Sentado

Todos os atletas com deficiências físicas são elegíveis para competir a nível internacional, desde que passar pelo processo de classificação. A classificação é um processo que avalia ‘deficiências físicas e aloca esses atletas em um grupo ou “classe esporte” de acordo com a avaliação médica e da sua capacidade física e funcional para realizar as ações de voleibol. Uma equipe de Classificadores Internacionalmente treinados e certificados é responsável pela gestão do processo de classificação.

As classes esportivas para Voleibol Sentado (Praia e Indoor e) são: MD – deficiência mínima e D – Deficientes. As classes esportivas para Voleibol em pé (Praia e Indoor) são: A, B, e C.

Na literatura os artigos que descrevem as lesões nesses atletas são escassos e poucos específicos quanto ao tipo de lesão esportivas e tratamentos. Os sintomas mais comumente relatados nesse grupo de atletas são em primeiro lugar dores lombares, seguido de dores no ombro. Além disso, é descrito a ocorrência de traumas no dedos e punho.

A melhor documentação da epidemiologia de lesões de atletas do Voleibol Sentado e estudos científicos conduzidos na área de fisiologia e biomecânica de movimento desta modalidade são necessários para a melhor atenção a esses atletas. Dessa forma, profissionais que atuam com atletas de Voleibol Sentado, como treinadores, fisioterapeutas e médicos, poderão fundamentar melhor suas atuações e colaborar para a promoção da melhor pratica do voleibol sentado.

Ft. Gabriela Borin

 

Referências: When sitting is not resting: Sitting Volleyball. Kwok Ng. AuthorHouse. 2012
Fotos: Brasil2016; Telegraph UK

Sobre o autor Gabriela Borin

Gabriela Borin escreveu 18 matérias nesse site.

Fisioterapeuta graduada pela USP, pós graduada em Fisioterapia Esportiva pelo CETE/EPM/UNIFESP e Mestranda em Ciências pela FM/USP. Estuda Fisioterapia Esportiva e Controle Postural. Atua na cidade de São Paulo.

Queremos seu comentário...