Slackline, propriocepção e CORE ao extremo

Slackline_04Slackline ou Slacklining é uma esporte que vem ganhando muitos adeptos no Brasil e rapidamente se tornou popular devido à sua simplicidade, versatilidade e capacidade de ser praticado em vários ambientes. Qualquer lugar onde há dois pontos de ancoragem para uma fita de nylon tensionada vira um local de prática, mas parques e praças são os locais onde mais atraem os praticantes, que normalmente preferem locais arborizados. O Slackline deriva da prática circense de andar sobre uma corda bamba, porém nesta modalidade a fita é plana e fortemente tencionada por catracas. Esta conformação do equipamento torna possível inserir um pouco mais de dinamicidade aos movimentos ao invés de somente caminhar. O jogo da fita e sua elasticidade permitem truques e acrobacias, além do fato da tensão poder ser ajustada para se adequar a diferentes tipos de prática e variar os efeitos. O nível de tensão irá aumentar ou diminuir a oscilação, sendo que as fitas mais estreitas são usadas para manobras de movimento sobre a mesma e as fitas mais largas são mais rígidas e tensas, ideal para manobras aéreas. Alguns praticantes posicionam a fita sobre a água, dando o nome de Water Slackline, sendo uma maneira de mais segura de ousar nas manobras sem correr o risco de se lesionar devido as quedas.

Slackline_01Em 2005, Jason Magness e Sam Salwei começaram a demonstrar posturas de Yoga sobre uma fita na cidade de Estes Park (Colorado – EUA). Mais tarde formaram um grupo chamado YogaSlackers e desde então os membros da equipe ensinam as pessoas a praticar a modalidade. Eles desenvolveram um fita especial e um sistema de tensão simples com catracas, permitindo qualquer um a aprender de forma segura e experimentar os benefícios desta prática. Como o esporte é relativamente novo, há muito espaço para novas manobras. Alguns dos truques básicos feitos são: caminhar, andar para trás, dar giros, queda de joelhos, correr e saltar para a fita, andar saltando. Manobras consideradas intermediárias e avançadas incluem movimentos aéreos, com saltos e giros: sentar como Buda, deitar, queda de joelho com as pernas cruzadas, simular o surf, salto com giros de 180, etc. Os benefícios da prática do são inúmeros e abrangem diversas esferas: força muscular de membros e tronco, equilíbrio, concentração… Ou seja, nesta atividade temos reunidas diversas habilidades neuromotoras que compõe a definição de treino sensório-motor e CORE.

Slackline_06A prática do Slackline exige uma coordenação precisa entre os sistemas sensoriais proprioceptivos, o sistema musculoesquelético e o sistema neuromotor eferente. Propriocepção é a capacidade que temos em reconhecer a localização espacial do corpo, sua posição e orientação. Informações são captadas por terminações neurais presentes nas articulações, ligamentos, cápsulas, tendões e músculos, enviadas e processadas no sistema nervoso central. Uma resposta é enviada aos músculos modulando a ativação e a contração de cada um. As bruscas mudanças de posição devem ser percebidas e corrigidas através de rápidas respostas articulares e musculares, que permitem o equilíbrio do atleta em cima da fita durante a execução de movimentos variados ou manutenção de uma postura estática.

Slackline_02Encontramos ainda outro benefício extremamente importante na execução de qualquer atividade física e que deve estar presente em todos os programas de reabilitação esportiva: ativação da musculatura do CORE. A prática do Slackline exige um centro de equilíbrio e de força que se forma com a ativação de músculos específicos, tônicos e de ação global (profundos, sem grandes secções transversas e de predominância de fibras vermelhas). Esses músculos funcionam num mecanismo antecipatório, ou seja, seu potencial de ação tem um limiar mais baixo do que os demais do sistema musculoesquelético, e são ativados precocemente na execução de qualquer movimento, permitindo assim estabilidade articular e dissipação de força ordenada. Desta maneira, o Slackline pode ser utilizado para treinar a musculatura do CORE e incrementar treinamentos e programas de reabilitação. Alguns atletas já se deram conta disto, como José Aldo, lutador de MMA.

O Slackline já conta com uma Federação Internacional, a qual organiza campeonatos mundiais e promove o esporte em nível competitivo. Saltos e outros truques são julgados de acordo com cinco critérios: dificuldade, técnica, diversidade, amplitude e desempenho. As competições são realizadas em vários níveis e categorias. Com a divulgação e popularização do esporte, mais fabricantes estão se interessando entrar no mercado e assim quem ganha são os praticantes, pois os equipamentos vão ganhando qualidade e preço reduzindo.

Ft. Fernando Cassiolato
Ft. Thaís Bortolini

Sobre o autor Fernando Cassiolato

Fernando Cassiolato escreveu 31 matérias nesse site.

Fisioterapeuta graduado pela USP, pós-graduado em Fisioterapia Esportiva pela CETE-UNIFESP e Acupuntura pelo IPES. Estuda Fisioterapia Esportiva Preventiva e atua na cidade de São José do Rio Preto.

Queremos seu comentário...