Síndrome do Impacto posterior de tornozelo

A síndrome do impacto posterior do tornozelo é um distúrbio clínico que caracteriza-se por dor posterior no tornozelo que ocorre no movimento de flexão plantar forçada. A dor posterior no tornozelo pode resultar de muitas causas e, portanto, pode apresentar um desafio diagnóstico. Em contraste com os pacientes com dor anterior no tornozelo, que ocorre em regiões com estruturas que são acessíveis a palpação, no impacto posterior estruturas do retropé são situados mais profundamente tornando a palpação direta mais difícil. Existem muitas fontes potenciais de dor posterior no tornozelo, que incluem lesões dos tecidos moles, tendinopatias Aquiles, bursite retrocalcanea, tenossinovite do flexor longo do hálux, lesões ósseas ou osteocondrais, fraturas por estresse, osteocondrite dissecante, coalizão tarsal, e lesões neurovasculares. Em geral, as condições que envolvem o Tendão de Aquiles são as causas mais comuns de dor posterior no tornozelo.

impacto posterior de tornozelo A anatomia da face posterior do tornozelo é um fator-chave para a ocorrência da síndrome do impacto posterior do tornozelo. A região posterior do tornozelo compreende os tecidos moles e estruturas situadas atrás da articulação calcâneo tibiotalar. O processo posterior do talus posterior se projeta posterior à superfície articular da articulação do tornozelo. O corpo do processo posterior, estende-se tanto posterior e medial e tem duas projeções designadas como processo posterior e processo póstero-lateral. O processo póstero-lateral, cujas lesões são a causa mais comum da síndrome do impacto posterior, também é chamado de processo trigonal. Quando o processo posterior permanece separado do talus é chamado processo de trigonal (OS trigonum). O OS trigonum é um centro de ossificação secundário do tálus, que normalmente mineraliza entre 7 e 13 anos de idade e se funde em 1 ano, formando o processo Stieda. O OS trigonum pode permanecer como um ossículo separado em 7 % a 14 % dos pacientes (frequentemente bilateral), podendo ser um fator que ocasiona o impacto posterior de tornozelo.

Essa síndrome muitas vezes é mal diagnostica porque apresenta baixo índice de suspeita em relação a esta condição, bem como porque os sintomas melhoram muitas vezes com o repouso. Assim, muitas vezes a verdadeira incidência da síndrome do impacto posterior do tornozelo é desconhecida. A etiologia da dor posterior do tornozelo posterior na flexão plantar forçada é variada e pode envolver qualquer parte da anatomia posterior do tornozelo.

impacto posterior de tornozeloA síndrome do impacto posterior do tornozelo pode ser causada pela sobrecarga ou trauma. A síndrome do impacto posterior de tornozelo devido a sobrecarga é encontrada principalmente em bailarinos e corredores. Correr com flexão plantar forçada, como por exemplo corrida downhill, pode impor estresses repetitivos no aspecto posterior da articulação do tornozelo. Já a flexão plantar vigorosa que ocorre durante os movimento de ballet de ponta ou meia ponta, produz compressão na face posterior da articulação do tornozelo . Qualquer uma destas situações pode colocar extrema sobrecarga sobre as estrutura presentes entre o calcâneo e a parte posterior da tíbia distal. Em geral, as estruturas que podem causar impacto no movimento de hiperflexão são cápsula articular posterior espessada, tecidos cicatriciais, calcificações pós-traumáticas da cápsula articular posterior, corpos livres na parte posterior da articulação do tornozelo, osteófitos na face posterior da tíbia distal, entre outros.

impacto posterior de tornozeloUma vez lesionados, muitos atletas vão tentar compensar a perda de flexão plantar, colocando o pé em uma posição inadequada. Conforme citado anteriormente, é uma lesão muito comum em bailarinos, que realizam movimentos de subir na ponta dos pés, com extremas amplitudes de flexão plantar. Dançarinos podem começar a assumir uma posição mais invertida na ponta dos pés, aumentando as cargas no ligamento tibiofibular anterior, predispondo os dançarinos a entorses de tornozelo. Lesões na panturrilha e contraturas, dor na planta do pé plantar, também são queixas típicas de compensações em bailarinos que resultam de esforços para forçar o pé em uma posição extrema.

Os sintomas mais comuns da síndrome do impacto posterior incluem dor atrás do calcanhar ou profunda na parte posterior do tornozelo agravada pela flexão plantar forçada ou push-off e atividades, como dança, chutar, corrida, e andar com sapatos de saltos altos, entre outros. A dor na hiperflexão forçada é patognomônico. O diagnóstico de impacto do tornozelo é geralmente realizada por exames clínicos. Para verificar se há posterior choque, pode ser realizada a hiperflexão forçada ou subir na ponta dos pés.

Muitos pacientes com impacto do tornozelo posterior respondem bem ao tratamento de fisioterapia. Um dos componentes da reabilitação é que o paciente precisa evitar atividades que aumentem a sua dor. Isto evita a irritação aos tecido lesionados. Além disso, ganho de amplitude de movimentos articulas, através de mobilizações, liberações miofasciais e alongamentos, podem contribuir para uma melhor biomecânica de movimento, livre de dor. Recursos eletrotermofototerapeuticos também podem aliviar a dor e ajudar na recuperação de tecidos lesionados. O fortalecimento muscular pode também contribuir no tratamento, contribuindo diminuir a sobrecarga na articulação. Uma vez que o paciente pode realizar essas atividades sem dor é necessário um retorno gradual ao esporte, sem que haja aumento dos sintomas.

Ft. Gabriela Borin

Sobre o autor Gabriela Borin

Gabriela Borin escreveu 18 matérias nesse site.

Fisioterapeuta graduada pela USP, pós graduada em Fisioterapia Esportiva pelo CETE/EPM/UNIFESP e Mestranda em Ciências pela FM/USP. Estuda Fisioterapia Esportiva e Controle Postural. Atua na cidade de São Paulo.

2 Replies to “Síndrome do Impacto posterior de tornozelo”

  1. Olá Gabriela, estive lendo o que você escreveu sobre o impacto posterior do tornozelo, mas não ficou claro no artigo se você já tratou essa patologia? e caso tenha tratado o que realmente funcionou?
    aguardo o retorno.
    att
    Daniela

    1. Ola Daniela,

      Na minha experiência profissional eu não tratei nenhum paciente com impacto posterior no tornozelo, mas acompanhei muitas avaliações clinicas desses pacientes no ambulatorio de tornozelo e pe. Esta é uma lesão que representa um grande desafio para nos fisioterapeutas, pois a causa muitas vezes é difícil de determinar e o tratamento pode ser prolongado. O post foi escrito baseado nas evidencias cientificas da literatura atuais descritas para tratamento de impacto posterior de tornozelo.

      Obrigada por seu comentario!
      Equipe Spalla

Queremos seu comentário...