Ronaldo Fenômeno e o Hipotireoidismo

Vamos entender um pouco sobre a doença que foi uma das causas do afastamento antecipado dos gramados do craque Ronaldo, também mundialmente conhecido como Ronaldo Fenômeno, um dos maiores jogadores de todos os tempos.

A tireóide é uma glândula situada na região inferior do pescoço, constituída de dois lobos, um de cada lado da traqueia, que são ligados por uma camada fina de tecido denominada de ístimo, dando a glândula um formato similar ao de uma borboleta. Em determinadas situações e, particularmente, quando o restante da glândula está aumentado, pode ocorrer a formação de um terceiro lobo, denominado lobo piramidal, que se prolonga acima do ístimo, lateralmente a traqueia.

A função primordial da tireóide é secretar uma quantidade suficiente de T3 (Triiodotironina) e T4 (Tiroxina), hormônios que promovem o crescimento e o desenvolvimento normal das pessoas e que regulam uma variedade de funções, como a produção de energia, calor e controle do metabolismo. Os hormônios T3 e T4 após serem produzidos na glândula tireóide, são liberados na corrente sanguínea e tendo a função de agir nos tecidos promovendo um aumento na velocidade metabólica.

As doenças da tireóide são muito comuns e dentre as mais frequentes encontramos o Hipertireoidismo e o Hipotireoidismo. Ronaldo revelou ao mundo nesta segunda-feira que há 4 anos atrás, quando atuava pelo Milan, foi diagnosticada a desordem de Hipotireoidismo, o que o leva a uma produção ou concentração diminuída de hormônios tireoidianos (T3 e T4). Essa insuficiência da tireóide acomete cerca de 10 a 15% da população mundial e é mais encontrada  no sexo feminino do que no masculino, com a incidência aumentando conforme o avanço da idade.

Os principais sinais e sintomas clínicos da doença são: fraqueza muscular, ganho de peso, sonolência, intolerância ao frio, metabolismo diminuído, queda do ritmo de batimento cardíaco, redução da velocidade circulatória, pulso lento, diminuição da absorção de glicose, rouquidão, pele seca, fria e grossa, sendo que a sintomatologia pode variar de acordo com a intensidade e evolução da doença.Como tratamento da doença, encontra-se na literatura a reposição hormonal com levotiroxina,  remédio comercialmente conhecido como Synthroid.

AVISO: toda ingestão medicamentosa deve ser realizado somente após uma avaliação e indicação médica.

No caso do Fenômeno o tratamento, que permaneceu por anos em segredo, teve de ser muito bem planejado pois o uso de hormônios pode ser considerado Doping no meio esportivo. Para tanto, teve de se protocolar todo um estudo sobre a doença, condição do atleta e a real necessidade do uso de tais medicamentos, apresentando toda a documentação a Agência Mundial de Anti-Doping (WADA) e a FIFA. Com esta condição, Ronaldo era obrigado a fazer treinos excessivos e contínuos para tentar manter a forma, sempre longe da ideal mas que lhe permitisse entrar em campo. Tantos treinos acabaram resultando em sobrecarga das estruturas musculo-esqueléticas, razão pela qual sofria recorrentes lesões e era acompanhado 24h por seu fisioterapeuta.

Segundo a própria declaração do craque na última segunda-feira, essa doença fez com que ele antecipasse a sua aposentadoria, mas com certeza ele deixa além de saudades de seus gols e lances geniais uma demonstração de superação e força de vontade. E isso mostra que não foi por acaso que ele recebeu um apelido que mais tarde acabou se tornando um sobrenome, Ronaldo Fenômeno!!!

Ft. Igor Phillip


Referências:
Slatosky J., Shipton B., Wahba H. Am Fam Physician 2000
Sakiyama R. Am Fam Physician 1993
Lopes, H J J. Função Tireoidiana: Principais testes laboratoriais e aplicações diagnósticas, 2002

Fotos:

Sobre o autor Igor Phillip

Igor Phillip escreveu 10 matérias nesse site.

One Reply to “Ronaldo Fenômeno e o Hipotireoidismo”

Queremos seu comentário...