Maurren Maggi – Retorno e Lesão muscular (Parte 1)

A inauguração da nova pista de atletismo do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP), em São Paulo, contou com a presença de diversas personalidades e atletas. Foi organizada uma competição festiva, contando com o retorno de nossa campeã olímpica Maurren Maggi. Em setembro do ano passado, Maurren passou por uma cirurgia de artroscopia no joelho esquerdo e vinha treinando e se recuperando desde então. Seu retorno as pistas se deu no início de julho, no Meeting de Ávila, na Espanha, onde alcançou 6,36m e foi campeã.

Durante a competição festiva em São Paulo, logo após seu primeiro salto, Maurren sentiu dores na região posterior da coxa esquerda e se retirou da pista chorando acompanhada dos médicos. Felizmente a atleta dispunha de uma fisioterapeuta no local, a qual prestou os primeiros atendimento. Estávamos presentes e constatamos o fato ocorrido.

ATENDIMENTO EM CAMPO: tão logo quanto puder é de suma importância realizar o protocolo mundialmente aceito e praticado: PRICE. Procedimento básico na área de Fisioterapia Esportiva, esta sigla em inglês significa:

  • P (protect the area – interromper as atividades com o membro afetado)
  • R (rest – relaxar a parte afetada)
  • IC (ice compression – aplicação de gelo com compressão)
  • E (elevation – levantar o membro com a lesão, acima da altura do coração, para interromper o fluxo sanguíneo e reduzir o edema)

Este procedimento visa, principalmente, não permitir o agravamento da lesão ocorrida. O edema é progressivo após a lesão e se o mesmo for controlado ou minimizado prontamente haverá menor morte celular no tecido acometido, o que se traduz posteriormente por menor tempo de recuperação. O gelo atua reduzindo o metabolismo no local da lesão e a dor, a compressão e elevação dificultam a progressão do inchaço impedindo que mais líquido passe da corrente sanguínea para fora dos vasos, a proteção e o relaxamento da musculatura previnem que o tecido lesado se contraia e aumente a extensão da lesão.

As aplicações de gelo com compressão devem ser  seriadas e mantidas por 20 minutos, com intervalos de 3 horas entre as aplicações. ATENÇÃO: não use bolsas de gel, prefira gelo picado!!! A temperatura do gel é inferior a zero grau, o que provoca queimaduras na pele em pouco tempo. Sua aplicação é menos efetiva no resfriamento dos tecidos, pois a troca de calor com a pele é mais rápida, perdendo seu poder de resfriamento muito antes que o gelo comum.

As lesões na coxa são comuns em saltadores e ocorrem, geralmente, nos momentos em que a musculatura trabalha para “frear” o movimento do membro (fase de contração excêntrica). O prognóstico de volta de um atleta após um evento de lesão muscular depende do grau desta lesão, porém gira em torno de 3 a 6 semanas. Já no dia seguinte ao evento é possível avaliar melhor a condição e o exame mais aceito para tal é o Ultra-Som.

Com seu único salto, Maurren atingiu 6,45m e foi a campeã do evento. A expectativa do treinador, Nélio Moura, é que a campeã olímpica tenha condições de competir no Troféu Brasil, em setembro. Força Maurren, torcemos pela sua recuperação!!

Ft Fernando Cassiolato

Fotos: Ricardo Nogueira/Folhapress

Sobre o autor Fernando Cassiolato

Fernando Cassiolato escreveu 31 matérias nesse site.

Fisioterapeuta graduado pela USP, pós-graduado em Fisioterapia Esportiva pela CETE-UNIFESP e Acupuntura pelo IPES. Estuda Fisioterapia Esportiva Preventiva e atua na cidade de São José do Rio Preto.

Queremos seu comentário...