Lesão de musculatura abdominal no Tênis – Thomaz Bellucci

musculatura abdominalO tenista brasileiro Thomaz Bellucci anunciou que não jogará o torneio de Wimbledon 2013, em Londres, na Inglaterra, por causa de uma lesão no abdômen. Em tratamento desde o ATP de Barcelona, Bellucci recebeu recomendações médicas de parar os treinamentos.

Um estiramento da musculatura abdominal pode ser considerado uma lesão parcial de fibras musculares. A lesão geralmente ocorre no músculo reto abdominal, no lado não dominante, podendo ocorrer também nos músculos abdominais oblíquos internos e externos. É considerada uma lesão comum em jogadores de tênis de diferentes níveis. O saque no tênis é o movimento que apresenta o maior risco para ocorrência dessa lesão. Pouco antes de bater na bola, enquanto realiza o movimento de extensão da coluna, durante a fase de armação do braço, os músculos abdominais estão sob muita “tensão”. Assim que o tenista entra em contato com a bola, os músculos abdominais iniciam uma contração concêntrica, utilizando então musculatura abdominaltoda a sua energia elástica armazenada. A energia liberada é transmitida em uma diagonal de força, movendo-se através do corpo, partindo da perna no lado não dominante para o ombro dominante. Isso explica a lesão dos músculos abdominais ser mais comum do lado não dominante. Este movimento, no qual há o estiramento dos músculos e depois a contração (contração excêntrica-concêntrica), é um momento de alto risco para lesão dos músculos abdominais. Outras situações em que podemos observar esta lesão são nos movimentos de topspin, no qual se realiza uma extensão ainda maior de tronco e no forehand em apoio, em que se realiza uma forte e rápida rotação de tronco.

musculatura abdominalAlguns dos sintomas da lesão da musculatura abdominal são a dor aguda súbita, que pode ser sentida durante o saque ou ao realizar exercícios abdominais, e a dor à palpação. A primeira fase do tratamento consiste na modificação de atividade e aplicação de gelo na área lesionada. Após a realização de exames físicos e de imagem para um diagnóstico mais preciso e o descarte de lesões associadas, a fisioterapia é iniciada. Com a melhora da dor, alguns exercícios leves de alongamento e contrações isométricas dos músculos abdominais podem ser iniciados, inclusive para ajudar no processo de cicatrização das fibras musculares. Os alongamentos podem ser realizados no solo com as mãos apoiadas ou em uma bola suíça, por exemplo. O ultrassom também pode ser utilizado na região da dor para auxiliar o processo cicatricial do músculo. Uma vez esses exercícios sendo realizados sem dor, os exercícios para ganho de força muscular podem ser iniciados. Nessa fase devemos começar a fortalecer de forma isotônica os músculos reto abdominal e oblíquos, além de iniciar um trabalho de ativação dos músculos do CORE (estabilizadores lombo-pélvicos). Ainda nessa fase, devemos fortalecer os músculos de membros inferiores para que não haja um aumento na sobrecarga dos músculos abdominais durante os movimentos do tênis. Para complementar, um treino sensório-motor é exigido nesse período da reabilitação. Com o ganho de força muscular, ausência de dor durante os movimentos, amplitude conservada e ativação correta dos músculos do CORE, deve-se iniciar um treino de caminhada, seguido de trote e corrida, para então acrescentar o treino funcional com giros, mudanças de direção, entre outros.

musculatura abdominalPara um retorno ao esporte adequado é necessário que durante a reabilitação seja feito um treino do gesto esportivo do atleta. Inicialmente evitamos os movimentos completos de saque e movimentos com o braço acima da cabeça, tais como, voleios, forehand e backhand altos, smashes. Os gestos são realizados de forma lenta e evoluem conforme os sintomas do atleta. Treinos de força podem ser realizados com mudanças de direção e mudanças no posicionamento do tronco para que seja possível trabalhar todas as fibras dos músculos abdominais. Com a evolução do paciente, contrações pliométricas desse grupo muscular podem ser iniciadas com o uso de uma Medicine Ball, por exemplo, ou uma resistência elástica. Assim podemos tentar reproduzir os movimentos do saque onde ocorre uma contração excêntrica seguida de uma contração concêntrica do abdômen. Com o bom resultado dessa fase, o atleta pode começar a fazer os movimentos completos do saque, smash, voleios, forehands, etc. Se não houver dor ao realizar tais golpes o atleta pode iniciar um treino de saques em sequencia, aumentar gradualmente a frequência e a velocidade de tais movimentos. Por fim, o atleta pode realizar partidas completas de tênis de maneira não competitiva e após duas semanas jogando sem dor, ele pode voltar ao esporte competitivo.

Após sofrer uma lesão da musculatura abdominal é importante que o atleta realize um trabalho preventivo para que não haja recidiva. Ele deve manter um treino de força da musculatura abdominal, tanto dinâmica (músculos superficiais, como o reto abdominal, por exemplo) quanto estática (músculos profundos, como o transverso do abdômen), trabalhar bem sua técnica para realizar bons golpes, sem sobrecarregar músculos e articulações, e saber dividir o tempo entre treinos, competições e repouso.

Ft. Ana Carolina Villa-Lobos
Ft. Gabriela Borin

Referencias: International Tennis Federation

Sobre o autor Ana Carolina Villa-Lobos

Ana Carolina Villa-Lobos escreveu 12 matérias nesse site.

Fisioterapeuta graduada pelo UniCeub em Brasília, pós graduada em Fisioterapia Esportiva pelo CETE/EPM/UNIFESP e Supervisora do ambulatório de coluna do CETE. Trabalha com Fisioterapia Esportiva, Terapia Manual e Controle Postural. Atua na cidade de São Paulo.

One Reply to “Lesão de musculatura abdominal no Tênis – Thomaz Bellucci”

Queremos seu comentário...